Acreditar em Deus e no outro: isso é fé, é esperança, é Páscoa!

A Páscoa é uma festa universal que todos, de alguma maneira, já ouviram falar. Mas é sempre bom esclarecer que a Páscoa, antes de tudo é uma festa judaica e cristã. Dos judeus porque os hebreus eram escravos dos egípcios e Deus se revelou a Moisés e o chamou para libertar este povo. Moisés com suas limitações e sem um exército, mas em nome Deus e juntamente com seu irmão, Aarão, pediu insistentemente ao faraó a liberdade do povo de Deus.

Por meio de Moisés, Deus realizou grandes sinais na água, no céu, através de pragas como gafanhotos, rãs e moscas, no entanto, o coração do faraó permanecia endurecido e o povo oprimido, sofria ainda mais com seus castigos (Ex 1-11).

Até que um dia Deus falou a Moisés e Aarão que deveriam convocar o povo para realizar o rito da Páscoa. Cada família deveria tomar um cordeiro, imolá-lo, e marcar a travessa da porta com o seu sangue. Naquela noite deveriam comer esse cordeiro e o que sobrasse deveria virar cinza no fogo. Naquela noite, o anjo do Senhor passaria e as portas que tivessem a marca do sangue do cordeiro teriam os filhos primogênitos preservados. Era a Páscoa, a passagem do anjo do Senhor. Como o faraó e todos os seus não o tinham feito o rito, tiveram seus filhos mortos. Tal situação fez com que o faraó fosse convencido a libertar o povo de Deus. Depois a Páscoa do Senhor se deu ainda quando o povo de Deus foi perseguido pelo faraó e suas tropas, mas conseguiram escapar porque o mar se abriu (Ex 12-14).

Páscoa                                                                                                                                                                                                                          Daniel Mafra/cancaonova.com

Para um judeu, relembrar a história, fazer memória, é como se hoje ele e seu povo fosse libertado. É a Páscoa atualizada! Jesus era judeu e um bom judeu, obediente à Torá, e aprendeu com seus pais a frequentar o templo e as festas. Ele revivia e atualizava aqueles momentos marcantes de seu povo.

Jesus, a Páscoa definitiva

Em Jesus aconteceu de maneira plena a nova e definitiva Páscoa, pela sua Paixão, Morte e Ressurreição. Ele passou por este mundo fazendo o bem. O Pai enviou o seu Filho amado para viver uma grande Páscoa. Jesus fez sua entrega total  por amor. Toda vida de Jesus foi pascal e seu ápice aconteceu na Cruz. A cada necessitado que se encontrava com Ele, a Páscoa acontecia. Um cego que passava a enxergar, um leproso que era limpo, um paralítico que voltava a andar, uma multidão que tinha fome da Palavra e era saciada e, posteriormente, alimentada da fome do corpo (Mt 14,13-21).

Jesus quis libertar o homem do pecado e ao libertar do mal do pecado, daquilo que está no interior de cada homem, consequentemente o império do mal cai, o desamor cai, a esperança renasce e a partilha acontece e um pouco do Reino já se é possível ver e viver aqui na terra tendo em vista a vida eterna.

Leia mais:
:: Páscoa, seu sentido real
:: Viver ressuscitado é saboroso como chocolate

Páscoa hoje?

Hoje, sem dúvida, o homem precisa viver a Páscoa, a Páscoa plena. Num mundo tão violento, tão impaciente, tão egoísta, é preciso acolher Jesus e seu amor extremo de Cruz. Acolher a Páscoa é morrer com Jesus e ressuscitar, é voltar à vida. Aqueles que se encontravam com Jesus nunca mais foram os mesmos; lançavam-se corajosamente numa vida de anúncio do Reino, de partilha de bens; viveram uma vida de amor ao próximo.

Por fim:  Moisés foi insistente com o faraó para que libertasse o povo de Deus e precisou ser persistente com este povo devido às suas inconstâncias. No Novo Testamento, Jesus foi insistente e acreditou até o fim em cada discípulo e o resultado foi um apostolado fecundo. Acreditar em Deus e no outro: isso é fé, é esperança, é Páscoa! Assim, diante de um Deus tão insistente, que nos ama, vivamos nossa Páscoa, vamos acolher Jesus e doar insistentemente a vida aos outros. Páscoa é Ressurreição de Jesus, é vida que recebo, é vida que ofereço. Feliz Páscoa!

 

Pe-Marcio-José-do-Prado-VICE-REITOR

Padre Marcio José do Prado
vice-reitor do Santuário do Pai das Misericórdias