Filho da Misericórdia

“Filho da Misericórdia”, assim se denomina um sacerdote que experimenta e misericórdia de Deus em muitos momentos da sua vida e a pedido da redação, nos escreveu contando essa linda história.

padre-leandro-freire-no-santuario-pai-das-misericordias4“Quando li a notícia do Ano da Misericórdia, meu coração se encheu de alegria! Viver à luz da Misericórdia Divina é maravilhoso, pois, quando estamos mais fracos, é aí que reconhecemos a grandeza de Deus.

Sempre temos obstáculos para superar. Na minha vida, todos os momentos de crise foram superados com o Diário de Santa Faustina.

Meu primeiro encontro com Jesus Misericordioso e Santa Faustina foi num retiro de carnaval ministrado pelos padres palotinos. Recebi a efusão no Espírito acompanhado do meu chamado a retornar à caminhada vocacional. Retornei ao seminário e fiz do diário uma verdadeira regra de vida.

Cada texto meditado, cada palavra lida atravessava meu coração como água corrente purificante. O engraçado de tudo isso é que já li o diário cerca de cinco ou seis vezes, mas não memorizei trechos, pois, cada vez que leio, parece ser um texto que nunca li.

No sacerdócio, já me deparei com uma situação na qual vi minha fraqueza ser superada pela força da Misericórdia de Deus. Estava diante de uma mulher doente há muito tempo, entrevada numa cama, sem conseguir falar. Percebi que era algo mais que doença física, era espiritual; e havia algo a mais ali. Quando estava me preparando para dar a unção dos enfermos, ela começou a gritar muito, num timbre que nada acalmava. Era algo ensurdecedor. Senti-me muito atormentado, quase apavorado com a situação atordoante. Foi quando veio ao fundo do coração, com um calor acompanhado de uma voz: “Reze o terço da misericórdia”.

Coloquei a mão no bolso e a pessoa começou a se encolher em posição fetal, retorcendo-se e rosnando como um animal. Tendo o terço em mãos, comecei a rezá-lo. Ela silenciou-se e, quando estava na última dezena, retornou aquele calor no coração e a voz na mente dizendo: “Dê agora a unção dos enfermos”. Conclui a última dezena e iniciei o rito; ao concluir, rezei: “Deus santo, Deus forte…” por três vezes.

Ela abriu os olhos, deu um grande suspiro e adormeceu. Depois de uma semana, soube que ela havia se mudado e retomado a vida. Foi pela misericórdia que pude afrontar um mal que não conhecia”.

Pe. Leandro Freire de Azevedo

Pároco da Paróquia de São Francisco de Assis,

Arquidiocese de Niterói-RJ

.: Veja aqui o sacerdote proclamando o Evangelho, na Santa Missa pelas Famílias no Santuário do Pai das misericórdias, quando em visita, a pedido de sua mãe como presente de aniversário natalício.

Conte-nos também a sua história com a Misericórdia divina.

Deus abençoe você!