O que é o Dia Mundial dos Pobres e como vivê-lo?

O Papa Francisco institui o Dia Mundial dos Pobres

“Que este novo Dia Mundial se torne, pois, um forte apelo à nossa consciência crente, para ficarmos cada vez mais convictos de que partilhar com os pobres permite-nos compreender o Evangelho na sua verdade mais profunda. Os pobres não são um problema: são um recurso de que lançar mão para acolher e viver a essência do Evangelho” (Mensagem do Papa Francisco sobre o Dia Mundial dos Pobres). 

No encerramento do Ano Santo da Misericórdia, no dia 20 de novembro de 2016, o Papa Francisco instituiu na Igreja Católica – o Dia Mundial dos Pobres – tendo em vista que, a “fé sem obras é morta” (Tg 2,17), e há muitas situações de pobreza material e espiritual na sociedade, que necessitam de serem alcançadas, concretamente, por atitudes de misericórdia.

Além disso, o Dia Mundial dos Pobres acontecerá no 33º Domingo do Tempo Comum, que antecede a Festa de Cristo Rei, nos conduzindo também a uma preparação para acolhermos o Senhor como Rei de nossas vidas, que em tudo se submeteu a vontade do Pai, vivendo a pobreza total, despojando-se de si mesmo e por isso Deus o elevou ( Fl 2, 6-11).  Somos chamados assim a, também, nos assemelharmos a esse mesmo Cristo pobre e amá-Lo, amando aqueles que estão à margem da sociedade.

Leia mais:
.:Homilia do Papa Francisco no encerramento do Ano da Misericórdia
.:Papa inicia ciclo de catequeses sobre misericórdia

Diácono Nelsinho Corrêa levando roupas e mantimentos para os pobres. / Arquivo pessoal

 

Um experiência concreta com os pobres

O Diácono Nelson Corrêa Junior, membro definitivo da Comunidade Canção Nova, que esteve presente desde os inícios desta, conta-nos sobre sua experiência dentro de uma obra que nasceu da pobreza, e como isso o formou na vivência da dependência de Deus e o leva a ajudar concretamente aqueles que precisam:

paidasmisericordias.com:  “Não esqueçamos que, para os discípulos de Cristo, a pobreza é, antes de tudo, uma vocação a seguir Jesus pobre. É um caminhar atrás d’Ele e com Ele: um caminho que conduz à bem-aventurança do Reino dos céus (cf. Mt 5, 3; Lc 6, 20)”. A Comunidade Canção Nova, também teve uma origem pobre. Conte-nos como isso, ainda hoje, te ajuda na evangelização.

Diácono Nelsinho: Foi o Padre Jonas quem sistematizou os retiros e os grandes encontros. Tudo passava por uma básica e necessária estrutura de cozinha e do local. Os mantimentos eram todos pedidos para as pessoas. A mão sempre tinha que estar estendida, e os retiros eram muitos! Ao chegar, onde hoje estamos, sempre é bom lembrar de onde saímos, de onde nos originamos.
A mão sempre esteve estendida para pedir ajuda, e a mesma mão devolvia em bênçãos com o retiro, na unção do Espírito, com pessoas que se preparavam para devolver com Evangelização vigorosa aos que o patrocinaram.

paidasmisericordias.com: “Com a sua confiança e a disponibilidade para aceitar ajuda, mostram-nos, de forma sóbria e muitas vezes feliz, como é decisivo vivermos do essencial e abandonarmo-nos à providência do Pai.” Como confiar em Deus diante da pobreza, das necessidades?

Diácono Nelsinho: O conceito de Providência está muito equivocado, se visto “só” como ganhar coisas. Providência é também quando não ganhamos. É Deus ali nos dizendo: não é hora, não é pra você. O importante neste momento de necessidade é ouvirmos a Deus. Além do nosso próprio “ronco da barriga”, ver o do outro. Então, a nossa necessidade vai ser purificada, e a mão que eu abrir para o outro, será a mesma que me trará as bênçãos e o que eu realmente preciso.

paidasmisericoridas.com: “Não pensemos nos pobres apenas como destinatários duma boa obra de voluntariado, que se pratica uma vez por semana, ou, menos ainda, de gestos improvisados de boa vontade para pôr a consciência em paz”. (Papa Francisco) Como não olhar para o pobre apenas como uma oportunidade de aliviar a minha consciência?

Diácono Nelsinho: O pobre é Jesus! A realidade que passamos no Brasil, hoje, é muito triste e sofrida. Esta frase do Papa, fora do contexto em que foi falada, precisa ser bem olhada para não gerar interpretação errada. A consciência de muitos está  adormecida, e este é um risco que todos nós corremos. Eu conheço bem poucas pessoas, que toda semana ajudam ao pobre de forma sistemática e comprometida; é preciso um redespertar nessa questão. O Papa mandou dar um passo além; para os que já ajudam o pobre que o façam com consciência e não o façam por fazer; mas é preciso fazer. É preciso ir ao encontro do pobre e vendo nele Jesus, ajudá-lo concretamente!

Você também pode ajudar

O Santuário do Pai das Misericórdia convida você para um gesto concreto: doe um alimento ou peça de roupa para os pobres na Secretaria do Santuário. A distribuição será realizada pelos Vicentinos.

Pai das Misericórdias e Deus de toda consolação, ouvi-nos!