VOCAÇÃO

Diácono Bruno: “Meu desejo é viver este amor maior, que é dar a vida pelo amigo”

Seguimos com a nossa série de entrevistas com os diáconos da Comunidade Canção Nova, que serão ordenados na festa do Pai das Misericórdias. E, hoje, nós vamos conhecer um pouco mais sobre a trajetória vocacional do diácono Bruno Antonio

Diácono Bruno e os pais no dia da Ordenação Diaconal – Santuário do Pai das Misericórdias. Fotos: cancaonova.com

Deus conhece todos os caminhos… Ele encontrou o menino simples, tímido e um pouco medroso, que morava, como nos contou, “no interior do interior de Minas Gerais: uma pequena vila, no Município de Nepomuceno”. Mas foi nesta origem interiorana que o diácono Bruno foi educado também na fé. Desde criança, era levado por seus pais para a Igreja, e a figura do padre sempre se destacava e atraia a sua atenção. E o chamado ao sacerdócio foi crescendo ali, entre uma missa e outra, no cotidiano de uma família católica. Ele nos contou: “Eu não consigo encontrar um momento específico para dizer “foi aqui que Deus me chamou”. Isso porque desde criança eu sempre quis ser padre, e eu falava isso, desde pequeno, para os meus pais”.
Porém, o tempo sempre prova os nossos maiores sonhos e, assim, na adolescência, Bruno viveu um período de distanciamento deste desejo pelo sacerdócio. Na sua vida, entraram outros interesses e dificuldades, como a falta de contato com uma pastoral vocacional, orientações sobre que caminho seguir para responder a esse chamado e, é claro, o medo foram fatores que contribuíram para que ele não pensasse tanto mais no sacerdócio. Mas, mesmo neste período de silêncio, a inquietação estava sempre presente. E ela voltou a ressoar mais forte quando Bruno participou de um encontro na sede da Comunidade Canção Nova. E seus olhos brilham ainda mais ao nos contar que foi conhecendo a Canção Nova que o desejo pelo sacerdócio foi reavivado. “Eu descobri, primeiro, a minha vocação dentro do carisma Canção Nova e, depois, redescobri o sacerdócio dentro deste carisma”. 

Grandes desafios

E se foi no seio familiar que o pequeno Bruno foi se descobrindo chamado ao sacerdócio, também foi em um contexto familiar que viveu uma de suas maiores provas vocacionais. Quando começou o seu caminho vocacional com a comunidade Canção Nova, naquele tempo ainda através de cartas, a sua mãe teve de iniciar um tratamento, por causa de um câncer. Ele conta que foi um momento muito difícil em casa, mas também um tempo em que foram fortalecidos pela fé. Mas, ao lado do problema de saúde de sua mãe, ele também enfrentava questionamentos por causa do medo de sair de casa. “Eu sempre fui uma pessoa muito medrosa, eu era um bichinho do mato, então sair daquele universo era algo muito grande pra mim, assustador. E foi, neste período, que eu pensei em largar tudo mesmo, nem tocar no assunto porque era mais fácil pra mim desistir”.
E em meio a esses questionamentos, uma resposta acalmou o seu coração e o encorajou a dar novos passos: “Foi em um encontro aqui, no Hosana Brasil, que eu vivi uma experiência muito forte da presença de Deus e de uma confirmação da minha vocação. Durante o luau com o Brás Oss, foi proclamado que ali havia um jovem que estava em um processo vocacional, mas que tinha decidido desistir de tudo. Mas Deus estava falando novamente para ele não desistir”. Uma experiência marcante para o diácono Bruno, que sentiu, naquele dia, a mão de Deus o conduzindo ao “sim”. 

Ordenação Diaconal – Santuário do Pai das Misericórdias. Fotos: cancaonova.com

“Eu descobri, primeiro, a minha vocação dentro do carisma Canção Nova e, depois, redescobri o sacerdócio dentro deste carisma”.

Um caminho acompanhado pelo Pai

E como o sim é diário, o diácono Bruno nos contou que, em outras diversas situações, sentiu essa mão de Deus sustentando a sua resposta. Falou-nos do tempo de formação vivido no seminário, e afirmou que lá recebeu, a cada ano, a base para continuar dando os passos na vocação. “Foi um tempo muito importante, embora eu ainda sinta que não estou preparado, porque, quando eu me coloco diante do sacerdócio, eu me vejo muito pequeno porque é uma vocação muito grande. Mas, se eu não tivesse vivido esse tempo no seminário, de forma alguma, eu teria condições”.
E, nesse caminho, o diácono Bruno ainda disse que experimenta concretamente a Providência de Deus e que essa é sempre uma confirmação ao seu chamado. “Durante todo este tempo, Deus foi providenciando aquilo que, antes, eu achava que não daria conta. Eu fui vendo Deus cuidando de tudo, em cada passo. Então, percebi que eu precisava me lançar na confiança em Deus e, mesmo muitas vezes tremendo de medo, não deixar de ir”. 

Leia também:

:: Diácono Willian: “Deus salvou a minha vida porque me queria padre”

Amor maior: o lema

Diácono Bruno durante ordenação diaconal – Santuário do Pai das Misericórdias – Fotos: cancaonova.com

Nesta experiência de ser cuidado e conduzido por Deus, o diácono Bruno cresceu no desejo de responder, cada vez mais, com amor. E, agora, pouco tempo antes de ser ordenado sacerdote, na Solenidade da Santíssima Trindade e quando o Santuário  do Pai das Misericórdias vai celebrar a Festa do Pai, ele nos conta o sentido de seu lema sacerdotal – João, 15,13 – “Não há amor maior do que dar a vida pelo amigo”. Com seu jeito simples, voz calma de um bom mineiro, diácono Bruno disse que essa palavra sempre chamou muito a sua atenção e que, ao longo do tempo, foi se confirmando como uma chamado: “Dar a minha vida por amor a este amigo que me chamou, mas também pelos amigos que Ele me confia, que Ele me chama também a ser amigo”. 

E encerrou afirmando: “É esse meu desejo, de viver esse amor maior, que é dar a vida pelo outro. Quero dar a vida pelos meus irmãos ali no altar, me oferecendo na eucaristia, ministrando os sacramentos, acompanhando os irmãos. Meu desejo é viver este amor maior, que é dar a vida pelo amigo”.

Saiba mais: 

Dia – 12 de junho de 2022
Hora: 9h30
Local: Santuário do Pai das Misericórdias – Canção Nova
Celebrante: Dom Joaquim Wladimir Lopes Dias – Bispo de Lorena, SP 

Ficha Técnica 

Diácono Bruno Antonio de Oliveira nasceu no dia 18/10/1987, em Lavras, MG. É Membro da Associação Internacional Privada de Fiéis – Comunidade Canção Nova, desde 2012.
Foi ordenado Diácono no dia 12/12/2021, no Santuário do Pai das Misericórdias.