Dom João Inácio celebra a Festa da Porciúncula no Santuário

Exortação ao “perdão e à reconciliação” na Festa da Porciúncula

Nesta terça-feira, 2 de agosto, Dom João Inácio Müller presidiu a Santa Missa da Festa de Nossa Senhora dos Anjos. Esta festa popularmente conhecida como a Festa da Porciúncula, é de especial importância para a família franciscana.

O bispo de Lorena, diocese à qual pertence o Santuário, iniciou a sua homilia saudando os presentes na celebração, a família franciscana e os missionários da Comunidade Canção Nova: “Queria ainda saudar todos os franciscanos e franciscanos da primeira Ordem, da segunda Ordem e também da terceira Ordem. Eu também que todos os missionários, consagrados ao carisma Canção Nova, eles também têm um viés franciscana desde a sua origem. Então, é próprio que os missionários, as missionárias Canção Nova também sejam no mundo pessoas que buscam a reconciliação, instrumentos do perdão, instrumentos de paz.”

Origem da indulgência da Porciúncula

Dom João Inácio explica aos fiéis a origem da indulgência da Porciúncula, segundo Bartolomeu de Pisa: “Num noite de Inverno, no ano de 1216, enquanto Francisco (…) pensava sobre a conversão e a salvação dos pecadores, ali na Porciúncula, naquelas matas onde ele gostava de se jogar pelo chão e rezar com rosto sobre a terra, uma luz suave o circundou e um anjo o convidou para ir até à Capelinha, pequenina que ele tinha construido (da Porciúncula)  onde o esperava Nosso Senhor, Sua Santíssima Mãe e muitos anjos.  Francisco se levantou, foi até lá, e se prostrou na Capela; adorou Jesus e venerou Nossa Senhora e os anjos.  Enquanto ele se humilhava no seu nada, Jesus lhe deu a coragem de pedir a graça que fosse do seu agrado. Francisco não pensou em si mas em todas as almas e, assim, sua resposta foi imediata: ‘Senhor Jesus, mesmo que eu seja um mísero pecador, eu Vos peço que todos os que, arrependidos e confessados, que virão a visitar esta Igreja possam receber um amplo e generoso perdão com uma completa remissão de todas as culpas’.”
Segundo a tradição, Jesus concede essa graça a São Francisco, pela intercessão da Virgem Maria.

Leia mais:
:: Perdão de Assis: saiba o que é e como receber indulgência plenária
:: A história de Nossa Senhora dos Anjos

Neste dia, Dom João a assembleia e a quem acompanhava a Santa Missa pela TV Canção Nova e pela Rádio Canção Nova AM, a buscar a indulgência de hoje: a ir à igreja mais próxima, se confessar e rezar pelas intenções do Papa.

Padre Marcio Prado, vice-reitor do Santuário do Pai das Misericórdias, e Dom João Inácio Müller, bispo de Lorena

Padre Marcio Prado, vice-reitor do Santuário do Pai das Misericórdias, e Dom João Inácio Müller, bispo de Lorena

Perdão e reconciliação mútuo

“Se uma pessoa fica sem pedir o perdão, se uma pessoa fica fora do Reino de Deus, parece que não valeu a Encarnação do Cristo. Cristo não pode tem vindo em vão para este mundo, Cristo não pode ter Se dado na Cruz, sem que todos acolham esse dom”, afirmou o presidente da celebração, sobre o pensamento de ‘Poverello de Assis’.

A homilia se finalizou com a exortação à reconciliação e ao perdão mútuo, como fez São Francisco: “Hoje, nós precisamos ser instrumentos paz. E, meus queridos e minhas queridas, nós estamos num mundo de muitas discórdias, de muita briga, de muito desentendimento, de muita acusação de um contra o outro. Não pode ser assim! Nós precisamos ser instrumentos de de paz, de reconciliação e perdão.”

Esta celebração foi concelebrada por mais sete sacerdotes da Comunidade Canção Nova.