A conversão interior nos faz transbordar amor e misericórdia

Nesta segunda-feira, 15 de janeiro de 2018, o padre Marcio Prado fez a homilia da Santa Missa, às 7h no Santuário do Pai das Misericórdias.

O sacerdote nos alerta sobre a conversão, ela precisar partir do interior: “No Evangelho de hoje, Jesus explica porque os seus discípulos não jejuavam naquela ocasião; “o noivo ainda está entre eles e quando o noivo for tirado eles poderão jejuar”. Os Fariseus estavam preocupados com atitudes externas. Jesus ensina aos seus discípulos, que o jejum não foi abolido, mas sim ressignificado. Ressignificar muitos gestos externos foi o ensinamento que Jesus muitas vezes usou, nos alertando para uma atitude que precisa partir do interior para o exterior. Que o Senhor nos ajude a viver a obediência a Deus não nos beneficiando das graças que vem do Evangelho e não nos deixando corromper. Vivamos a obediência a Deus, tendo uma atitude de conversão interior, pois é do interior que precisa partir a nossa conversão. É preciso ter um coração novo e ser um recipiente novo para receber Jesus Cristo, não nos preocupando com sacrifícios externos, mas sim com uma atitude interior. Que o Senhor nos ajude hoje a dar um passo a mais de conversão e vida nova, para do nosso interior brotar amor e misericórdia. Odres novos e coração novo é o que pedimos ao Senhor neste dia. Que a conversão aconteça no nosso interior nos fazendo transbordar em amor e misericórdia para o outro”.

O Evangelho é de São Marcos: “Naquele tempo, os discípulos de João Batista e os fariseus estavam jejuando. Então, vieram dizer a Jesus: “Por que os discípulos de João e os discípulos dos fariseus jejuam, e os teus discípulos não jejuam?” Jesus respondeu: “Os convidados de um casamento poderiam, por acaso, fazer jejum, enquanto o noivo está com eles? Enquanto o noivo está com eles, os convidados não podem jejuar. Mas vai chegar o tempo em que o noivo será tirado do meio deles; aí, então, eles vão jejuar. Ninguém põe um remendo de pano novo numa roupa velha; porque o remendo novo repuxa o pano velho e o rasgão fica maior ainda. Ninguém põe vinho novo em odres velhos; porque o vinho novo arrebenta os odres velhos e o vinho e os odres se perdem. Por isso, vinho novo em odres novos”” (Mc 2,18-22).

Assista a homilia na íntegra:

Confira a liturgia do dia.

Pai das Misericórdias e Deus de toda consolação, ouvi-nos!