Não tenha medo, basta ter fé

Nesta terça-feira, 30 de Janeiro de 2018, o padre Anderson Marçal fez a homilia da Santa Missa às 7h no Santuário do Pai das Misericórdias.

O sacerdote nos convida a não ter medo, basta ter fé: “Esta foi a palavra que Jesus disse a Jairo quando ele recebeu a noticia que a sua filha estava morta. A liturgia fala de dois pais, um é Davi, pai de Absalão que chora a morte do seu filho mesmo ele não sendo tão bom assim e o outro pai é Jairo, chefe de uma sinagoga que corre ao encontro de Jesus e pede para que a sua filha não morra. Não podemos deixar para buscar a Deus somente em situações extremas como foi a morte do filho de Davi ou como a enfermidade da filha de Jairo. Podemos até ter uma vida de oração, mas não podemos nos aproximar de Jesus só em situações extremas. Aparecem três figuras na liturgia de hoje que podem nos ajudar. A primeira foi a hemorroíssa, que há 12 anos sofria e fez de tudo para tocar em Jesus; e foi a impureza daquela mulher que à aproximou de Jesus; a segunda foi a multidão, que comprimia Jesus, estava próxima de Jesus, mas não tocava em Jesus; e a terceira foi a filha de Jairo, que desfalecida e declarada morta se deixou tocar por Jesus. Em qual situação eu me encontro hoje? Eu sou a hemorroíssa que fez um grande esforço para tocar em Jesus? Sou a multidão que comprimia Jesus mas não o tocava? Ou a menina que desfalecida se deixou tocar por Jesus? Não esperemos chegar as situações extremas como a morte do filho pra Davi ou a doença da filha de Jairo para nos aproximarmos de Jesus. Alguns fazem o impossível para tocar em Jesus, outros estando perto não conseguem tocar nem serem tocados por Jesus, e há os que estando desfalecidos se deixam tocar por Jesus”.

O Evangelho é de São Marcos: “Naquele tempo, Jesus atravessou de novo, numa barca, para a outra margem. Uma numerosa multidão se reuniu junto dele, e Jesus ficou na praia. Aproximou-se, então, um dos chefes da sinagoga, chamado Jairo. Quando viu Jesus, caiu a seus pés, e pediu com insistência: “Minha filhinha está nas últimas. Vem e põe as mãos sobre ela, para que ela sare e viva!” Jesus então o acompanhou. Numerosa multidão o seguia e comprimia. Ora, achava-se ali uma mulher que, há doze anos, estava com hemorragia; tinha sofrido nas mãos de muitos médicos, gastou tudo o que possuía, e, em vez de melhorar, piorava cada vez mais. Tendo ouvido falar de Jesus, aproximou-se dele por detrás, no meio da multidão, e tocou na sua roupa. Ela pensava: “Se eu ao menos tocar na roupa dele, ficarei curada”. A hemorragia parou imediatamente, e a mulher sentiu dentro de si que estava curada da doença. Jesus logo percebeu que uma força tinha saído dele. E, voltando-se no meio da multidão, perguntou: “Quem tocou na minha roupa?” Os discípulos disseram: “Estás vendo a multidão que te comprime e ainda perguntas: ‘Quem me tocou’?” Ele, porém, olhava ao redor para ver quem havia feito aquilo. A mulher, cheia de medo e tremendo, percebendo o que lhe havia acontecido, veio e caiu aos pés de Jesus, e contou-lhe toda a verdade. Ele lhe disse: “Filha, a tua fé te curou. Vai em paz e fica curada dessa doença”. Ele estava ainda falando, quando chegaram alguns da casa do chefe da sinagoga, e disseram a Jairo: “Tua filha morreu. Por que ainda incomodar o mestre?” Jesus ouviu a notícia e disse ao chefe da sinagoga: “Não tenhas medo. Basta ter fé!” E não deixou que ninguém o acompanhasse, a não ser Pedro, Tiago e seu irmão João. Quando chegaram à casa do chefe da sinagoga, Jesus viu a confusão e como estavam chorando e gritando Então, ele entrou e disse: “Por que essa confusão e esse choro? A criança não morreu, mas está dormindo”. Começaram então a caçoar dele. Mas, ele mandou que todos saíssem, menos o pai e a mãe da menina, e os três discípulos que o acompanhavam. Depois entraram no quarto onde estava a criança. Jesus pegou na mão da menina e disse: “Talitá cum” — que quer dizer: “Menina, levanta-te!” Ela levantou-se imediatamente e começou a andar, pois tinha doze anos. E todos ficaram admirados. Ele recomendou com insistência que ninguém ficasse sabendo daquilo. E mandou dar de comer à menina (Mc 5,21-43)”.

Assista a homilia na íntegra.

Confira a liturgia do dia.

Pai das Misericórdias e Deus de toda consolação, ouvi-nos!