REFLEXÃO

O ano terminou, e agora?

Comemoramos o final de 2020 e inauguramos 2021

2020 foi um ano muito agitado para todos nós, pois tivemos uma pandemia que mudou consideravelmente nossa forma de viver. As perspectivas de 2020 não são menos assustadoras, com questões muito importantes vindo à tona, e nós oramos para que as coisas corram bem para o bem de todos nós.

No calendário litúrgico da Igreja, o primeiro dia do Ano Novo Civil é dedicado à solenidade da Mãe de Deus, que comemora o papel de Maria no mistério da salvação.

A festa de Maria, Mãe de Deus, mostra que seu filho, Jesus, é uma só pessoa, verdadeiro Deus e verdadeiro Homem. Em Jesus, Deus assumiu nossa humanidade. Ele conhece nossas dores, lutas e tentações. Ele é o trono de misericórdia ao qual podemos nos voltar, pois é nosso líder na salvação.

Portanto, a inauguração do Ano Novo não deve ser focada apenas na alegria e na festa, mas como católicos, o Ano Novo deve ser rico em significado espiritual para nós; aquela que nos dá muita gratidão, e gratidão pelo passado, esperança e coragem para enfrentarmos o futuro. Encaramos o futuro não sozinhos, mas com Jesus e a ajuda de nossa Mãe Santíssima.

Leia mais:
:: A segurança não faz parte do seguimento de Cristo
:: Nosso coração não descansa a não ser em Deus
:: A quem muito se ama, muito se perdoa

No primeiro dia do ano civil também celebramos o Dia Mundial da Paz. A fé em Jesus como a Boa Nova, a luz da humanidade, é também a garantia da paz mundial neste mundo conturbado e dividido. Ele é a fonte de paz. A menos que sejamos reconciliados com Deus, não podemos encontrar paz dentro de nós. A fonte de divisão está nos corações divididos e egoístas da humanidade.

Que Jesus seja nosso futuro. Deixemos que Ele seja o centro de nossas vidas e de nossos relacionamentos. Vamos fundamentar nossa fé e vida em Jesus e na Palavra de Deus como o caminho para a verdade, amor e vida. Vamos também fazer nossa parte por um amanhã em paz, endireitando nossos relacionamentos por meio do amor, da paciência e do diálogo.

Que Maria, a Mãe de Deus, nos inspire a uma fé e humildade mais profundas. Que possamos aprender a ser criteriosos e contemplativos na oração, ao buscarmos ser instrumentos e canais de unidade e paz no mundo, começando em nossa família, no local de trabalho e na sociedade.

Desejo a você um abençoado Ano Novo, e oro para que Deus sempre seja nossa rocha e nossa salvação.

Kaique Duarte
Seminarista da Comunidade Canção Nova